quarta-feira, dezembro 07, 2005

Descompasso Compassso Passo


Entre brumas de cores e plumas
Vejo teu antigo olhar
E através dele pode se ver
O reflexo do Luar
Que parece desconfiar
Dos meus anseios em te desejar

De todas as cores
De todas as formas
Em todos os retalhos
Recortados, Coloridos...
Em todos os tons das estações

Mais nada disso importa
Só quero é sentir teu coração bater
Em descompasso assim como o meu
E não sei porquê
Você aportou e ficou
Sem pedir licença
Ficou como uma crença
Contada como uma Lenda
Através dos tempos
Que passa, passa, passa
E não se finda com o pôr-do-sol
Mas se renova com a chegada
De um novo amanhecer

E nesse compasso
Sem passo da vida
Que me devora
Pela falta dos dias
Que vivo sem você