terça-feira, fevereiro 12, 2008

Vermelho Bourbon
.
.
E mesmo com o céu anunciando uma não trégua a tristeza, ela resolveu sair. Só queria ver os barquinhos de papel na correnteza das cochias sujas, esperando vê-los descer fortemente pelas ondas, até naufragar em algum bueiro ou atracar em qualquer superfície mais seca ou copo descartável ou pedra mais alta de calçamento. Saiu olhando para o chão, olhando o movimento dos próprios pés, levemente molhados e incomodados por grão de areia das calçadas encharcadas. Ela gosta dos pés, acha-os pequenos e pálidos. Por um instante pára de olhá-los e volta a buscar os barquinhos. Se diverte, sorrindo e apreciando o invejável bailar dos passarinhos na chuva. Continua andando, agora, em passos largos, espaços. Percorre diversas Ruas, atravessa Avenidas e nada de encontrar nenhum barquinho de papel. De repente, uma dor, assim, meio distraída. Assustada, ela olha para um dos pés, pequeno, pálido e agora ferido, vermelho de sangue, cor de bourbon. Não chora, mas sente uma imensa revolta. Vê que foi um caco, um triste caco partido, abandonado e perverso que atravessou seu pequeno pé. Pensa na marca, cicatriz profunda que nunca mais fará ela esquecer àquela chuva, a cochia suja, o lixo amontoado entre os paralelepipedos e mesmo sem olhar para o céu, os pássaros continuam lá, dançando e cantando livremente. Mas por um momento, a dor já não há, nem a revolta, nem os pés, nem a palidez, nem o caco, nem a cicatriz, tudo parece sumir, adormercer. Agora, é só o sangue vermelho que escorre na correnteza, fazendo-a parecer algo romântico, cor de paixão, de botão na primavera, de batom de meretriz, e dançando sobre ela o barquinho, que navegando vai partindo, descendo lentamente à correnteza e se vai, levando um sonho, uma vontade, um desejo vermelho cor de bourbon.
.
.
Renata Maria

2 comentários:

Samurr disse...

Interestinghtr post
.

Anônimo disse...

LINDO!
BELO E DELICADO COMO VOCÊ.