quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Cheiro de Outono










Posso estender minhas mãos

Para te buscarem no infinito Universo
E ver nascer uma estrela
No denso céu da tua boca
Céu, onde quero me perder
Para nos teus braços morrer
Quando, enfim, o dia clarear
Na hora mágica do amor
Sinto a multiplicidade dos sentidos
Onde vivo na duração das estações
E desde aquele devaneio de Abril
No qual vi florescer em meu peito
A flor do teu amor com cheiro de Outono
Entendi...
Me finquei nas tuas raízes
Amarrei meu corpo as tuas folhas
Descansei para sempre em tua terra
A semente do meu amor

Lua

3 comentários:

Anônimo disse...

Lua bela,
A beleza está na delicadeza de tudo que vive...
E você vive no coração de todos que te cercam.

Anônimo disse...

Nunca deixe de escrever, pois por muitas vezes, suas poesias me foram refúgios de dias tristes e nublados.
Estava sentindo falta das suas poesias, músicas, da delicadeza que tens na sua forma de retratar o mundo e aqueles que o fazem.

Te quero bem, muito bem!

Beijos!

Borboleta disse...

Minha poetisa favorita!!
Que linda poesia, como haveria de ser diferente?

Em um retrado preto e branco, linda ela está a se destacar dentre as flores...

Colore meus dias em todas as estações do ano.

Linda, apaixonante, apaixonada...Amante e muito amada.

Bjs ;)